Recortes

 

Fresta

 

Pela fresta da porta vejo teu vulto

Se é sonho ou realidade, não sei.

Pela fresta da porta vejo vários vultos

Passam sorrateiros, ofuscados

há uma bruma que desce sobre eles.

Pela fresta da porta vejo imagens borradas

misturadas, indefinidas, cinzentas.

Foram-se as cores, apagaram-se os contornos.

Pela fresta da porta passa minha vida.

Não consigo vê-la, mas posso senti-la.

Há um gosto amargo de saudade do que se foi.

Fiat Lux[1]


A única luz que entrava naquele quarto vinha através de uma fresta do telhado. Um raio de claridade descia do alto ao chão e era possível ver grãos minúsculos de pó suspensos num ir e vir ininterrupto. Deitada na pequena cama olhando esse ponto luminoso, era como se estivesse vendo tudo de um lugar fora de meu corpo. Via-me ali inerte, olhos abertos fixos na tênue claridade.

Os pensamentos atropelavam-se como se empurrados por uma onda imensa de saudade e angústia. Imagens de tempos idos vinham em flashes, entrelaçados no tempo e no espaço sem obedecer a uma ordem cronológica. Alguma coisa se rompera e trouxera o caos, esse caos absurdamente doloroso, sufocante.

O que fazer quando todas as perspectivas diluem-se num átimo impreciso, sem deixar rastros nem possibilidade de retorno? Como lidar com ausências insupríveis? Que fórmula mágica seria capaz de subverter o imenso vazio daquela vida pautada em metáforas subtraídas de um conjunto de ideações? Onde encontrar respostas para inquietações que teimam em buscar um elemento resolúvel?

Inesperadamente o raio de luz projetou-se em meu rosto, obrigando-me a fechar os olhos. Fui envolvida numa mornura gostosa como colo de alguém muito amado. Um conforto, a princípio sutil, foi tomando meu corpo, minha alma, meu coração. A gelidez, antes dona de mim, aos poucos foi dando lugar a algo que penetrava como fagulhas e trazia-me de volta à realidade. Compreendi que a vida é isso, saudades, começos, finais, recomeços, risos, lágrimas, conquistas, fracassos, amores, desamores, escuridão e, no fim, a luz. Não importa que seja apenas um pequeno raio vindo de uma fenda nas telhas, mas é luz e na claridade enxergamos melhor e podemos entender alguns dos mistérios desse que é o nosso maior mistério: a vida.

Postado em 15/01/2012

[1] Fiat Lux: Expressão latina que significa “faça-se luz”.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...