Por uma vereda apenas


Em certos momentos penso em fazer tal qual Virgínia: encher os bolsos de pedras e mergulhar em algum rio ou mar e deixar que a vida se vá misturada à correnteza… Sou muito fraca para isso, não tenho essa têmpera e, depois, penso naqueles que sofrerão pelo que fiz. Jamais serei capaz de agir assim, mas o mesmo não digo dos pensamentos…

Minha mente vagueia numa penumbra tal, que há momentos que perco a noção de tudo. Penso estar dormindo, porém há um mundo tão real, cheio de sons, cheiros e cores que a certeza de que estou desperta faz-me ver a dimensão imediata na qual me encontro. Meu sono, entretanto, é tão racional, sou tão eu mesma enquanto durmo, a ponto de tomar decisões só possíveis caso esteja acordada.

Perdi-me em meu próprio labirinto, ando à busca de um fio que me conduza à saída, que me indique rotas seguras, trilhas sem perigos, arenosas, sem pedras. Uma simples senda basta, desde que me traga de volta a mim mesma.

Postado em 16/09/2012

Cristal em caixa de pedras

fazenda_sucupira_001

A menina mudara-se para a casa maior e mais bonita da rua. Na época o pé de flamboyant era um buquê gigantesco de flores vermelhas. As janelas dos três andares, após longo tempo fechadas, abriram-se para os raios de sol e a brisa mansa da montanha que balançava suavemente as cortinas.

Com o passar dos dias, aquela azáfama dos primeiros momentos de mudança foi diminuindo e, aos poucos, a rotina instalou-se. Entretanto, apesar dos dias claros e sol ameno, ninguém aparecia no jardim, a não ser um velho jardineiro que cuidava das plantas, fazia mudas, podava e aparava a grama.

Certa manhã de sábado, porém, ao passar pelo portão gradeado, avistei-a sentada no banco de mármore. Cabeça reclinada sobre um livro, estava tão absorta, que não percebia o mundo à sua volta. Deitado sob seus pés um setter irlandês cor de caramelo tão imóvel quanto sua dona. Entretanto assim que cheguei mais próximo do portão, levantou a cabeça olhando-me atentamente. Sua dona continuou impassível, imersa em páginas de histórias, quiçá fascinantes.

Não saía de casa a não ser para entrar no ônibus escolar que a pegava todos os dias antes no final da manhã. Nem aos sábados e domingos, dias em que nós crianças, brincávamos na rua tranquila e segura, ela aparecia. Ficávamos conjeturando o que ela fazia dentro daquele casarão. Certo que havia uma piscina nos fundos, longe do nosso olhar bisbilhoteiro, mas qual a graça de ficar mergulhando e nadando sozinha?

Nas férias, iam veranear na serra. Durante dois meses o 57 ficava fechado. A garotada ficava do outro lado da rua para ver a saída deles. Eram muito chiques. Bem vestidos, carro importado, malas elegantes. Na frente o casal, atrás uma senhora de cabelos brancos, uma mulher ainda jovem, talvez por volta dos quarenta anos e a menina. O carro subia a rua, fazia a curva e desaparecia.

Durante uns cinco anos, a rotina daquela menina, agora já quase adolescente, não se alterara. Era um ritual seguido à risca. Não recebiam quase nenhuma visita. Pouco saíam. Sabíamos os o horários em que o casal ia para o trabalho e a hora do retorno. A hora em que abriam as janelas e o momento em que as fechavam. Tudo cronometrado, sem novidades, sem mudanças.

Um dia notamos que a menina não morava mais no 57. Nunca mais o ônibus escolar viera buscá-la nem a víramos no jardim. Os adultos continuavam lá, mas ela não. Tempos depois uma das empregadas contou que a garota era filha de uma parenta distante da família. A mãe ficara viúva e os parentes abastados trouxeram a menina. Criavam-na com todo cuidado, carinho, escola cara, boas roupas, tudo do bom e do melhor. A única coisa é que não permitiam que ela saísse de casa, nem brincasse com outras crianças. Tinham medo de que algum mal acontecesse a ela. Achavam que a responsabilidade deles era muito grande, justamente por que não eram os pais verdadeiros. Agora já maior, ela dissera que não queria mais morar com eles, queria ir embora para junto da mãe e dos irmãos.

Assim foi. Abriram a porta da gaiola dourada e o passarinho voou para longe. Não mais casa com piscina, não mais veraneio na serra, não mais luxo nem riqueza. A liberdade a esperava numa cidade bem pequena, em uma casa simples e cheia de dificuldades. Não se pode proteger ninguém do mundo. Não há redoma que impeça a dor. Tolher a liberdade por medo e precaução é criar seres despreparados para a vida. Não se carrega cristal em caixa de pedras.

Postado em 23/02/2012
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...